Justiça ouvirá réus dos atentados ao Estado em penitenciária de Itajaí

02/09/2013

Barreiras policiais serão montadas na região de acesso ao Complexo Penitenciário da Canhanduba, em Itajaí, no Litoral Norte, entre os dias 9 a 18 deste mês. Dentro da prisão, salas serão adaptadas como se fossem um tribunal para realização das audiências dos 98 acusados da onda de atentados em Santa Catarina, em fevereiro deste ano.

A mobilização em que um juiz e um promotor irão à cadeia para ouvir presos é incomum em razão da complexidade, periculosidade e quantidade de réus envolvidos. Eles são ligados à facção Primeiro Grupo Catarinense (PGC). O bando tem seus líderes dentro de cadeias, de onde comanda crimes como assassinatos, tráfico de drogas e ataques.

Os interrogatórios eram para ser realizados em Blumenau, cidade em que tramita o processo da Operação Salve Geral, da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic), porque partiu do presídio da cidade a ordem para início da segunda onda de atentados ao Estado. A transferência para uma unidade prisional — Itajaí foi a escolhida — aconteceu por medida de segurança, pois havia ameaça de novos ataques. A ala em que será montado o tribunal é um prédio novo dentro do complexo e que ainda não foi ocupado.

— No local haverá presença constante da tropa de choque, que permanecerá todas as noites dentro da prisão para garantir a segurança — ressalta o promotor Flávio Duarte de Souza.

Este é o principal processo judicial contra a facção PGC, por associação ao tráfico de drogas e formação de quadrilha. As acusações de incêndios e danos pelos atentados correm em outros processos nas cidades em que ocorreram os crimes. A ação está em segredo de Justiça e jornalistas não poderão acompanhar os depoimentos. O acesso será limitado aos réus, integrantes do Ministério Público, defensores, servidores da Justiça, policiais e agentes que farão a segurança. Todos serão cadastrados e deverão apresentar identidade na entrada.

:: ENTENDA O CASO

Um juiz e um promotor vão à prisão para ouvir presos. Parte deles será ouvido por videoconferência. Há um grupo que responde em liberdade e terá de ir ao local para acompanhar as audiências.

98 réus

55 estão em presídios/penitenciárias estaduais e serão levados ao local

22 são líderes do PGC e estão na Penitenciária Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte (serão ouvidos e acompanharão por videoconferência)

15 pessoas respondem em liberdade (o Estado disponibilizará transporte para quem não tiver condições de se deslocar ao complexo)

6 estão foragidas da Justiça até o momento.

46 advogados trabalham nas defesas e também vão acompanhar os trabalhos

6 policiais são testemunhas, entre eles dois delegados

3 testemunhas terão a identidade protegida nos depoimentos

:: OS CRIMES DA FACÇÃO

Associação para o tráfico de drogas e formação de quadrilha armada

:: SENTENÇA

As audiências serão encerradas ao final dos depoimentos. A sentença não sairá nesse dia. O processo seguirá para alegações finais e depois, a partir de nova manifestação do Ministério Público, o juiz dará a sentença em gabinete.


Fonte: DIÁRIO CATARINENSE

SD REGULADORA DE SINISTRO © 2011

ITAJAÍ/SC - 47 3368-6248 - regulacao@sdreguladora.com.br - Rua Almirante Tamandaré. 393 - Centro - CEP: 88301-430
QUAX Design Inteligente